in ,

J.K. Rowling é criticada por mais um comentário transfóbico

Autora dos livros Harry Potter segue perpetuando seu ódio à pessoas trans.

(Foto: Getty Images / Uso autorizado POPline)

É possível separar o autor de sua obra? Esse questionamento sempre aparece quando o responsável por uma produção de sucesso faz algo errado. E no caso de J.K. Rowling, autora dos livros Harry Potter, esse questionamento sempre retorna e ela foi, mais uma vez, criticada por comentários transfóbicos.

Harry Potter: J.K. Rowling ficará de fora do especial de 20 anos?
(Foto: Getty Images / Uso autorizado POPline)

Leia mais:

Em suas redes sociais, em especial no Twitter, J.K. Rowling constantemente torna público o seu ódio por pessoas trans e no último domingo (12), o mais novo capítulo dessa confusão veio à tona.

A autora compartilhou uma notícia que informa que a polícia britânica irá registrar como mulheres abusadores sexuais com genitália masculina, caso eles se identifiquem como mulheres, mesmo não tendo feito a transição de gênero legalmente.

Em seu Tweet, J.K. Rowling escreveu: “Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força. O indivíduo de pênis que te estuprou é uma mulher.”

O texto da autora é uma alusão ao trecho do livro “1984”, de George Orwell.

O público, amantes dos livros do universo de Harry Potter, claro, criticou a postura de J.K. Rowling e apontou a transfobia em suas palavras.

“Você literalmente criou todo um universo cheio de personagens maravilhosos, criaturas fantásticas, magia e maravilhas, mas não consegue entender que pessoas trans existem? Você decaiu muito da mulher inspiradora que escreveu Harry Potter dentro do seu carro.”

“Eu tenho dificuldade de entender como alguém pode criar um mundo onde o amor humano pode literalmente salvar as pessoas da morte, e simultaneamente abraçar esse tipo de ódio.”

“Órgãos sexuais não definem a identidade de uma pessoa. Eu desejo mais amor em sua vida!”

Escrito por Kavad Medeiros

Ávine Vinny era da mesma produtora de DJ Ivis e o apoiou após prisão

Na prisão, Ávine Vinny passou a noite ouvindo presos cantando “Late Coração”