in ,

Hungria revela que sofreu preconceito por ser rapper e gravar músicas com Claudia Leitte e Lucas Lucco!

O rapper Hungria será uma das atrações do programa “Só Toca Top” neste sábado, (27), e nos bastidores do programa o cantor falou ao “Gshow” sobre ostentação e comentou preconceito no ambiente do Rap e do Hip Hop depois de gravar participações com artistas como Lucas Lucco e Claudia Leitte.”O Rap pregava um ‘não preconceito’ mas era um movimento que tinha bastante preconceito dentro dele. Eu sofri exatamente isso, as pessoas falavam: ‘Está se vendendo?'”, explicou.

Hungria ainda revelou que seu nome verdadeiro é Gustavo e que não importa o gênero, ele é apaixonado por música: “Se o coração disser para fazer uma participação de forró, ou de qualquer outro estilo, eu vou fazer”. Segundo o cantor, o momento é de ultrapassar barreiras entre os estilos musicais. Dentro desse contexto, ele comemora alguns avanços, mas ressalta que nem todos estão seguindo para o mesmo caminho:

“O Rap está quebrando todo esse paradigma que foi criado lá atrás. A gente está vivendo uma fase muito legal do Rap! Mas algumas pessoas do Rap não entendem isso. Eles vão ficar para trás e eu quero o avanço! Se eles não entendem que o progresso mora nessa quebra de barreiras, de preconceitos, eles vão ficar para trás. A gente vai evoluir e não vai parar!”.

Ver essa foto no Instagram

Amém 🙏🏽

Uma publicação compartilhada por Hungria Hip Hop (@hungria_oficial) em

O cantor ainda falou sobre as críticas que recebe por seguir um estilo de ostentação ao exibir carros luxuosos, roupas de grife e constantes viagens ao exterior: “Às vezes você está num carro legal e as pessoas comentam. Mas não pode? A gente trabalhou, a gente não tirou nada de ninguém. Para mim a melhor ostentação é ser feliz, é sorrir. Eu estou sendo feliz! A gente trabalhou, a gente pode conquistar as coisas, sim!”, finalizou o rapper.

Escrito por Helena Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preta Gil celebra seus 45 anos com o stand-up “Mais Preta que Nunca”, onde mescla música, humor e histórias

Reprodução

Facebook cresce 28% no segundo trimestre de 2019 e alcança receita de US$ 16,9 bilhões; confira o relatório