Emoção BBB
Foto: Lara Imperiano - Photography
in ,

História da tatuagem de Juliette é emocionante

Juliette teve que cobrir uma tatuagem muito importante para ela.

Juliette, a campeã do BBB 21, teve que cobrir uma tatuagem que é muito sentimental. Originalmente, era um coração formado por palavras com sua própria letra. O seu objetivo era homenagear pessoas importantes como sua avó, mãe, irmãos, incluindo a irmã Eninha. No entanto, o tempo fez com que as linhas desbotassem e ficassem difíceis de ler.

Ela explica com sua próprias palavras:

Vocês conhecem a história da minha tatuagem? Fiz em homenagem aos meus irmãos, mãe, avó e à minha irmã Eninha. Precisei cobrir, pois as palavras foram escritas à mão, com a minha caligrafia, e com o tempo ficou ilegível“, disse ela.

você vai chorar
Foto: Instagram

Fica em destaque na antiga tatuagem “Enquanto você me fizer sorrir, eu vou estar bem aqui“. Ela falou essa frase quando subiu no pódio de primeiro lugar quando foi coroada campeã do BBB. Foi uma homenagem à sua irmã que morreu aos 17 anos.

Com sentimentos tão fortes como o amor, não precisa de uma tatuagem para ficar marcado no coração, não é mesmo? No final das contas, esteticamente, as flores ficaram lindas e o significado real só ela sabe!

Confira o resultado final:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Juliette (@juliette)

BBB: Juliette comenta apelido maldoso “Euliette”

Juliette ganhou o Big Brother Brasil com honraria e grande margem de vantagem: foram 90,15% dos votos. A sua torcida era (e continua sendo) imensa – os números de seu Instagram não mentem com mais de 28 milhões. No entanto, teve uma galera que pegou ranço dela durante a competição e criaram até um apelido maldoso: Euliette.

Euliette vem de acusações de que ela transforma todas as situações em algo sobre ela ou que ela só pensa nela própria. O que a própria pensa disso? Será que ela ficou chateada?

Em recente entrevista à revista Quem, Juliette comentou seu apelido:

Não tinha isso muito, não. Meus problemas na terapia eram outros, não esse [de egocentrismo]. Achar que tudo era sobre mim, na verdade, acredito que não. Não lembro muito, mas tudo bem. Ali, na casa do BBB, até tentava achar que não estavam falando sobre mim, mas depois me provavam que estava errada. Queria que não fosse sobre mim“, explicou.

No final das contas, ela acaba concordando com esse apelido: “Eu analiso as pessoas não pela forma como elas são comigo, mas como são com os outros, ou com determinadas pessoas. Quando observava que as pessoas estavam com condutas não tão legais com os outros, imaginava que pudessem fazer o mesmo comigo. Eu me coloco no lugar dos outros. Não quero me sentir melhor do que ninguém, pelo contrário. Falo muita besteira, tenho muito medo, mas fico com aquela sensação de que poderia ser comigo. Então, o apelido pode ser Euliette mesmo”, completa.

Escrito por Caian Nunes

Quem Vai Casar

Quem vai pegar o buquê de noiva da Pabllo Vittar?

Opinião: Relatório do Ecad e a gestão coletiva na pandemia