in ,

“Harry’s House”: Mídia define o novo álbum do Harry Styles como o melhor de sua carreira

O álbum já está recebendo muitos elogios.

Twitter analisa a influência de Harry Styles na plataforma
Foto: Divulgação / Hanna Moon

A poucos dias do lançamento do “Harry’s House“, que sai na próxima sexta-feira, 20 de maio, a mídia especializada já ouviu a novidade do Harry Styles. Assim, foi possível publicar as primeiras críticas sobre o projeto. Na maioria das vezes, os elogios são predominantes, com raras críticas medianas.

Harry’s House” é o terceiro álbum solo do Harry Styles. Por enquanto, o público já ouviu a música As It Was“, que é primeiro lugar em vários países.

Harry Styles. Foto: Instagram @harrystyles

Leia Mais:

Leia destaques do que a mídia especializada falou!

NME

O ex-One Direction descreveu este disco como o seu “maior e mais divertido, mas de longe o mais íntimo”. Também é o seu melhor até o momento. […] O terceiro álbum do músico parece uma coisa mágica – um disco no qual você deseja residir até conhecer todos os cantos e recantos nos mínimos detalhes. Casa, para Styles, pode ser um estado de espírito, mas com ‘Harry’s House’, ele fez um álbum que parece o “pequeno chalé” que Joni Mitchell uma vez cantou; um lugar onde você “pode realmente encontrar liberação”, relaxar e processar as minúcias do seu dia.

Entertainment Weekly

Styles montou um álbum que é tão sólido, mesmo em momentos que seriam constrangedores quando manipulados por estrelas pop menores, parecem merecidos. […]  Desde seu primeiro álbum solo, Styles tem desafiado a ideia de como deve ser a vida pós-boy-band. Mantendo seu megaestrelado enquanto cria seu próprio espaço dentro da paisagem sempre em mudança do pop. Em Harry’s House, ele baixa a guarda ainda mais, cavando suas curiosidades musicais enquanto oferece vislumbres do funcionamento e preocupações de sua mente – e deixando o mundo saber que ele vai navegar pelo estrelato pop em seus próprios termos.

The Guardian

Você se pergunta um pouco se essas letras precisam ou não do tipo de leitura atenta em busca de significados profundos a que estão sujeitas em alguns cantos da internet. Assim como você se pergunta algumas das comparações musicais mais sublimes com as quais o trabalho de Styles foi submetido e se a visão dele se despindo de cueca no vídeo de As It Was realmente “incorpora vulnerabilidade na forma física” ao invés de dizer que é um cara tirando a roupa pois ele sabe que está em boa forma. No entanto, Harry’s House está extremamente bem acabado, preenche muitos requisitos e tem um charme abundante, o que o torna um reflexo perfeito do astro pop que o fez.

Rolling Stone

Com seu terceiro álbum, Harry’s House ele conseguiu o truque de tornar sua música ao mesmo tempo elegante e refinada, mas também mais calorosa e íntima. […] Harry’s House é brilhante com sintetizadores e metais, muitas vezes mergulhados em synth-pop e R&B lisos e pegajosos. Você quase espera verificar os créditos e encontrar Greg Phillinganes e Rod Temperton lá com os colaboradores de longa data de Styles, Kid Harpoon e Tyler Johnson.

Independent UK

É essa capacidade de transcender as expectativas que aplicamos a talentos menores de ex-boyband que ajudou Styles a torcer e contornar seu caminho para aclamação solo. Harry’s House fecha com um trio de masterclasses menores. “Satellite” segue como outro padrão de lounge bar até que, no minuto final, alguém enche seu Martini com uma dose de qualquer coisa que o MGMT esteja tomando. “Boyfriends” é um folk acústico lindo e multi-harmonizado […]. E ao invés de terminar em uma balada melosa, a música eletrônica abafada de “Love of My Life” sugere que as ambições futuras de Harry podem incluir uma colaboração com Bon Iver.

DIY Magazine

Sua estreia autointitulada de 2017 viu Harry começar a esculpir sua voz solo e ‘Fine Line’ dois anos depois o mostrou flexionando suas grandes asas de estúdio. Já em ‘Harry’s House’, vive um compositor confiante o suficiente em ambos para começar a tocar com convenções . Os ganchos são frequentemente cortesia de instrumentais (veja ‘Daylight’, ou o loop de guitarra quase industrial de ‘Grapejuice’) ou vocais quase inexistentes (‘Daydreaming’).

As amostras são usadas como percussão (‘Satellite’, que também ecoa sua temática ‘espiral’ com um clímax cacofônico no ponto médio) ou, no caso de ‘Love Of My Life’ mais próxima, em loop para ecoar inteligentemente o pulso de uma pista de dança e contradiz o violão e o piano suaves da música. E é só quando ‘As It Was’ – em si um dos números mais diretos do álbum – entra em ação que ele chega perto de cantar qualquer coisa. Ele pode ser um artista pop nato da mais alta ordem, mas Harry Styles também não tem medo de ser secundário em relação à música; uma lição que muitos outros levaram muito mais tempo para aprender.

 

Escrito por Caian Nunes

Capa da Vogue UK, Gisele Bündchen revela: “Melhor aos 40 do que aos 20”

Carla Diaz sobre Suzane von Richthofen: "não vai lucrar com os filmes"

Carla Diaz pode viver Suzane von Richthofen mais uma vez