in

Há 1 ano, Lady Gaga lançava seu icônico álbum “Joanne”

21 de outubro: neste mesmo dia em 2016 Lady Gaga lançava o “Joanne”, seu quinto álbum de estúdio. O álbum foi recebido com euforia, apesar de dividir opiniões. Representando uma reinvenção da popstar, o disco saiu do pop eletrônico de costume e usou influências do country e do rock.

“O álbum ‘Joanne’ é o ápice da reinvenção de Lady Gaga”, definiu o site Metrópoles. Despida de todas as “fantasias” e parafernalhas que chamavam atenção, ela permitiu mostrar um lado mais cru. “O maior mérito de “Joanne” é apresentar uma verdadeira nova faceta de Lady Gaga, uma que também vale a pena explorar”.

“Meu nome é Joanne! Eu queria escrever um álbum que viesse da dor mais profunda que eu tinha em mim, algo que eu precisava dizer. E a verdade é que, quando mergulhei profundamente em mim mesma, percebi que havia uma dor passando de geração para geração, uma dor que todos nós compartilhávamos. Uma dor intergeracional, uma tristeza transmitida por nossos avós, através de nossos pais. Quando eu era garotinha, me sentava para jantar e sentia que faltava alguém no Natal e no Dia de Ação de Graças… Para mim, essa dor tem apenas um nome, e é Joanne”, falou a cantora em show. O nome, como se sabe, se refere à tia da cantora, que morreu de lúpus – doença que a própria popstar carrega.

Na lista de produtores, Mark Ronson, Jeff Bhasker, BloodPop e RedOne.

Singles

1. Perfect Illusion

Imagina a Lady Gaga voltar toda roqueira? Isso aconteceu. Segundo a cantora, o single foi escolhido pela própria gravadora. O sucesso comercial não foi tão bom quanto o esperado… #15 na Billboard Hot 100 e 800.000 cópias combinadas vendidas mundialmente.

2. Million Reasons

A baladinha, com certeza, foi o maior sucesso do álbum. A faixa inicialmente seria só promocional, mas por ser bem recebida acabou sendo oficializada. A cantora realmente passou um bom tempo apostando nela… Quando a música caía, vinha uma performance icônica que fazia reacender. Resultado? #4 na parada Billboard Hot 100 e 3 milhões de cópias combinadas vendidas mundialmente.

3. John Wayne

Essa ganhou clipe, mas não chegou a ser single. A produção, no entanto, foi uma das mais elogiadas do ano.

Performances icônicas

A era foi marcada por dois grandes shows da Lady Gaga. O primeiro, no intervalo do Super Bowl, maior audiência da TV americana. Fazendo um apanhado dos maiores hits de sua carreira, ela mostrou que seu lado show girl estava mais vivo do que nunca. A crítica aclamou, a audiência foi recorde e acabou alavancando a venda de suas músicas e álbuns.

Rolou também o Coachella. Ali, ela tinha a difícil missão de substituir a Beyoncé (que teve que cancelar por causa da gravidez), mas deu conta do recado. O destaque ficou com o lançamento ao vivo da inédita “The Cure”.

Joanne World Tour

Em agosto de 2017 a cantora iniciou a turnê que promove o álbum. Com um palco super-produzido, ela tem tido sucesso de público e crítica. “Lady Gaga pode fazer mais do que qualquer estrela pop regular. (…) Embora exista muito a dizer sobre os vocais infalíveis de Gaga e o espetáculo de alta energia, também vale a pena notar uma das partes mais impressionantes do show: o palco”, elogiou a revista Variety.

Lady Gaga passou por pontos baixos quando teve que cancelar shows por problemas de saúde, inclusive sua presença no “Rock in Rio”.

Desempenho comercial

“Joanne” estreou em primeiro lugar nos Estados Unidos, com cerca de 200.000 cópias combinadas. Além disso, é platina no Brasil, ouro no Reino Unido, Canadá, Austrália e outros países.

xoxo, Janne.

Escrito por Caian Nunes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Apresentadores de programa de TV australiano tentam fazer pose “impossível” de Ariana Grande no banquinho

“Sorry Not Sorry”, da Demi Lovato, atinge o primeiro lugar nas rádios pop americanas