Foto: Music in The Air/Goldman Sachs
in

Goldman Sachs 2021: conheça as projeções da indústria musical

Goldman Sachs projeta um cenário otimista para a indústria musical em 2021 com receita bruta para US $ 21,1 bilhões

O estudo anual “Music in the Air” da Goldman Sachs é amplamente reconhecido na indústria da música como uma pesquisa confiável do negócio e divulgou ontem (30) as suas projeções para 2021 que apontam um cenário otimista. O Universal Music Group (UMG) foi avaliado em US $ 53 bilhões (cerca de R$ 288 bilhões) antes de seu IPO, previsto para acontecer até o final do ano.

Isso é acima dos US$ 36 bilhões postulados no relatório do ano passado e mostra a força dos negócios de música gravada e publicação, que são os principais entre as muitas propriedades do UMG. Esse fenômeno acontece apesar da pandemia, que achatou outros setores da indústria, especialmente o entretenimento ao vivo, que as projeções da Goldman apontam que as receitas irão subir para US $ 12,7 bilhões este ano, de sombrios US $ 4,8 bilhões em 2020; mas obviamente há muitas variáveis ​​envolvidas para esse resultado acontecer.

O relatório, de autoria da analista da Goldman Lisa Yang, conforme observado pela Music Business Worldwide, também projeta que a corrida do ouro em torno dos catálogos e da propriedade intelectual continuará, embora alguns afirmem que os valores começaram a estagnar: “O valor dos catálogos de música continuará a aumentar, atraindo cada vez mais capital para o espaço.”

Goldman Sachs 2021: conheça as projeções da indústria musical
Foto: Music In The Air/Goldman Sachs

Apesar disso, as projeções apontam que o negócio de Edição Musical foi duramente atingido pela queda dos royalties de desempenho devido à pandemia, verá apenas um aumento modesto nas receitas, de US $ 6,0 bilhões em 2020 para US $ 6,2 bilhões em 2021. O relatório afirma que a mudança para streaming continuará.

“Antecipamos uma mudança mais rápida para streaming de música e maior monetização de conteúdo musical de novos formatos (por exemplo, vídeos curtos, fitness conectado, jogos etc.), uma tendência que foi ainda mais acelerada pela pandemia”. E prevê que: “Amazon, YouTube e Tencent Music [serão] os maiores ganhadores de participação ”nas batalhas de streaming que estão por vir. O Goldman Sachs também projeta que as três principais gravadoras, UMG, Sony e Warner, “manterão suas posições dominantes, mas enfrentarão alguma diluição de participação de mercado em meio ao aumento de artistas iniciantes e intermediários”.

E os sucessos continuam chegando: o relatório projeta que as receitas do mercado mundial de música gravada aumentarão quase US $ 2 bilhões: de US $ 21,6 bilhões em 2020 para US $ 23,5 bilhões este ano, com aumento de US $ 3 bilhões em receita bruta para US $ 21,1 bilhões.

Goldman Sachs 2021: conheça as projeções da indústria musical
Foto: Music in The Air/Goldman Sachs

O mercado de streaming segue com bastante otimismo, com o relatório projetando que os assinantes globais de streaming subirão para 527 milhões este ano, de 443 milhões em 2020 – e 697 milhões em 2023, e mais de 1,2 bilhão em 2030. Deve-se notar, no entanto, que muitos desses novos assinantes virão de novos mercados, onde as assinaturas custam substancialmente menos do que nos Estados Unidos e Europa (que começou a ver aumentos de preços nos últimos meses). O Goldman Sachs prevê que a receita de música atingirá mais do que o dobro, para cerca de US $ 131 bilhões até 2030, saiba mais clicando aqui.

Escrito por Láisa Naiane

Girl From Rio

“Girl From Rio”: Anitta estreia bem no Spotify Global

Morre Ray Reyes, ex-integrante do Menudo, aos 51 anos