Foto: Reprodução / Instagram
in

Funk no Ranking: Jon Jon cria projeto musical para fomentar o gênero

Jon Jon cria projeto para enaltecer nomes clássicos do funk carioca.

O ano não poderia acabar sem mais um projeto de Jon Jon, o Jonathan da Nova Geração. Cria do funk carioca, filho de Rômulo Costa, da produtora Furacão 2000, o DJ e produtor carioca Jon Jon está com uma nova música na praça: um projeto para enaltecer o funk e fomentar o gênero.

“Funk no Ranking” é o nome do projeto de Jon Jon, que vem com participação de grandes nomes do funk carioca, incluindo MC Brunyn, MC Natan, Azzy, Tati Quebra-Barraco, MC Sabrina, MC Ka de Paris, MC TH, MC Master, Choji e Thiaguinho MT, e, claro, o próprio Jon Jon

A faixa já chega com videoclipe na próxima quinta-feira (17) e é o último trabalho do ano de Jon Jon. O clipe, claro, foi gravado no Rio de Janeiro com todos esses veteranos e novos nomes do funk.

“Somos 10 artistas em um funk que você nunca viu. São mais de 6 minutos de track”, afirmou Jon Jon em live no Instagram.

Veja prévias:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Jonathan Costa (@jonjon)

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por THIAGUINHO MT (@thiaguinhomtoficial)

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por MC NATHAN 🎤 (@nathanemici)

Jonathan Costa revela que quase foi para um orfanato na infância

Jon Jon
Jon Jon

O mundo do funk sofreu um duro golpe no dia 29 de outubro, com a notícia de que MC Maneirinho e MC Cabelinho receberam intimações por suposta apologia ao crime. Várias personalidades da música se manifestaram a favor dos artistas, incluindo o DJ e produtor Jonathan Costa, que revelou ao POPline quase ter ido parar num orfanato. “Meus pais foram perseguidos por causa do funk”, conta JonJon.

Para quem não sabe, JonJon é filho de Rômulo Costa, dono da Furacão 2000, e da vereadora Verônica Costa, a Mãe Loira. Ele gravou uma sequência de vídeos no Instagram Stories onde lamenta tais perseguições aos artistas de funk:

“Essa é uma quinta-feira muito triste para o movimento funk. Mais uma vez sofrendo perseguição e preconceito de pessoas que não entendem nossas origens, nossa cultura. E justamente por não entenderem, tem medo do nosso crescimento, do nosso progresso. E diante disso ficam fazendo de tudo para tentar nos atrasar. Mas não conseguirão.

Há 20 anos eu passei por toda essa perseguição com a minha família. Hoje, graças a Deus, meu pai é inocente e minha mãe é uma das vereadoras mais atuantes da cidade do Rio de Janeiro e eu tenho o Jon Jon Baile. Seguimos vivendo de funk. Transformamos nossa vida e transformamos a vida de várias outras pessoas que passaram por nossas empresas.

Olha o retrocesso que a gente está vivendo? É muito triste. Mas sinto informar. Não vamos parar. Vamos continuar crescendo. Você vai continuar vendo favelado vencer, mudar sua realidade, mudar a realidade dos que estão ao seu redor. Vai continuar vendo funkeiro no Top 10 do Brasil. Vai ver muito funk sendo exportado e artistas internacionais cantando e batendo continência pra esse movimento que não para de crescer”, falou Jon Jon.

Escrito por Kavad Medeiros

Aline Wirley cria challenge de “Ragatanga”, com coreografia e versão “Indômita”

FresnoDay: conversamos com Lucas Silveira para um balanço dos 21 anos de Fresno