Divulgação/Logo ABMI, OniMusic e Editora Adorando
Uma de suas associadas, a editora Adorando – ligada à OniMusic, gravadora independente de Minas Gerais especializada no gênero gospel –, tem em seu acervo mais de 200 mil obras de autores brasileiros e licenciados do exterior.
in

Editora ‘Adorando’ controla mais de 200 mil obras musicais, afirma resultado preliminar de pesquisa da ABMI

Divulgação/Logo ABMI, OniMusic e Editora Adorando

A Associação Brasileira de Música Independente (ABMI), entidade que atua com objetivo de integrar o mercado brasileiro de música gravada, está realizando uma pesquisa para mapear o setor no país e anunciou hoje, com exclusividade, sua primeira descoberta.

Uma de suas associadas, a editora Adorando – ligada à OniMusic, selo e distribuidora independente de Minas Gerais especializada no gênero gospel –, tem em seu acervo mais de 200 mil obras de autores brasileiros e licenciados do exterior.

“Uma editora com 20 ou 30 mil obras já é considerada grande, e a ‘Adorando’ extrapola muito esses números. A parceria da ABMI com empresas deste porte certamente vai trazer importantes resultados para a nossa pesquisa, além de contribuir com o fortalecimento do mercado brasileiro”, afirma Carlos Mills, Presidente da ABMI.

Iniciada no mês de julho, a pesquisa de mercado para mapear o setor da música independente brasileira terão informações que serão coletadas por dois meses, em duas frentes: uma avaliação dos dados das principais plataformas de streaming, referentes a 2019, e entrevistas com 80 empresas – 70 associadas e 10 de fora da instituição. 

Entre os temas que serão abordados na pesquisa qualitativa, estão o números de empregos gerados pelo setor, a quantidade anual de lançamentos e diversidade de gênero, além da avaliação de tendências de mercado. Já a parte quantitativa será extraídos da análise de dados fornecidos por empresas como Spotify, Apple, YouTube e Google.

Com o resultado, a ABMI espera indicar com clareza a participação dos artistas auto-produtores e empresas independentes no market share da música gravada no Brasil, além de identificar tendências, traçar metas e sugerir caminhos para políticas públicas. 

O estudo é coordenado pelo músico, economista e pesquisador Léo Morel e contará com a participação das empresas Chartmetric e LV Pesquisa. A iniciativa tem o apoio da WIN e do MERLIN.

Alguns eixos da pesquisa são:

  • Participação da música independente no market share nacional;
  • Censo com todos os associados da ABMI;
  • Estudos de caso;
  • Indicadores: empregos gerados, estilos musicais trabalhados, quantidade anual de lançamentos, diversidade de gênero;
  • Efeitos da pandemia;
  • Tendências do mercado.

Saiba mais detalhes da pesquisa, clicando aqui.

 

Escrito por Redação POPLine

Luan Santana recebe homenagens de fãs ao celebrar 13 anos de carreira

Dua Lipa adia “Club Future Nostalgia” para o mesmo dia de “Smile”, da Katy Perry