Pixabay
Ecad aponta que presença das mulheres no mercado musical cresce mas ainda é menor que a dos homens
in

Ecad aponta que de 2 milhões de músicas brasileiras cadastradas, a palavra ‘mulher’ está no título de 13 mil

Pixabay

Apesar de já ser possível perceber um crescimento nos últimos anos, a presença feminina no mercado brasileiro da música ainda é bastante inferior à masculina.

É o que aponta um levantamento do Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), que tem um dos maiores bancos de dados da América Latina.  

 A análise feita considera os rendimentos destinados às mulheres nos últimos cinco anos em diferentes segmentos de execução pública, como shows, rádio, música ao vivo, TV e streaming.

Em 2015, o  distribuiu R$ 26,1 milhões em direitos autorais para mulheres que atuam como compositoras, intérpretes, instrumentistas e editoras no país.

Em 2019, esse valor saltou para R$ 32,8 milhões, um aumento de 25,6%. Pesquisando somente os valores destinados às compositoras, esse número cresce de R$ 17,6 milhões, em 2015, para R$ 21,7 milhões em 2019, uma alta de 24,1%.

 

Embora venham crescendo, esses valores ainda são muito baixos se comparados aos destinados aos homens – representam somente 8% do total distribuído para todas as músicas nacionais cadastradas.

Apesar disso, elas vêm avançando e ganhando espaço no mercado musical. Em 2015, 15,2% dos cadastros feitos no banco de dados do  eram de mulheres. Em 2019, os novos cadastros femininos já responderam por 17,6% do total do ano passado. 

Outra curiosidade é em relação à presença feminina nos títulos de obras musicais que constam no banco de dados do Ecad.

Do total de quase 2 milhões de músicas brasileiras cadastradas, a palavra “mulher” está no título de 13 mil delas.

Já o pronome “ela” aparece em quase 10 mil títulos, enquanto uma pesquisa pela palavra “linda” apontou sua presença em mais de 4 mil músicas.

 

“Ter conhecimento do mercado é fundamental para que possamos modificar esse cenário.

Eu sou uma mulher, que atualmente trabalha com música, e consigo perceber o quanto a participação feminina pode contribuir para o crescimento da economia criativa.

Espero que esses dados possam mudar em breve e que a mulher conquiste cada vez mais o seu espaço”, diz a superintendente executiva do Ecad, Isabel Amorim.

Em tempo, conheça os bastidores do trabalho do Ecad, clicando aqui.

Escrito por Redação POPLine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time de futebol de São Paulo registra MC Livinho como jogador profissional na CBF

Drags baianas fazem versão do clipe de Buttons de Pussycat Dolls