Foto: Saurabh Soshte/Pixabay
in

Dia do Compositor: mais tocados, valorização e representatividade feminina na última década

A arte de eternizar momentos em músicas que emocionam, como um bom refrão que fica na memória afetiva, ou um ritmo que faz “tirar o pé do chão” precisam dos compositores para que essas sensações se tornem realidade. Hoje, dia 15 de janeiro, é celebrado o Dia Mundial do Compositor, profissional fundamental para a indústria da música.

Nos últimos anos, a profissionalização do setor aumentou à medida em que o digital facilitou as relações de trabalho e de circulação de informações no mercado musical. Seja com a formação de coletivos de compositores, songcamps promovidos por escritórios, selos ou gravadoras; a indústria brasileira tem aumentado, cada vez mais, ações para representatividade desses profissionais e a manutenção dos seus direitos.

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) que possui a missão de zelar pelos direitos autorais dos compositores, conversou com o POPline.Biz é Mundo da Música sobre as transformações digitais e a importância desses profissionais no setor musical. De acordo com Isabel Amorim, superintendente executiva do Ecad, a gestão coletiva da música no Brasil (Ecad e associações de música) atua em conjunto para que o trabalho dos compositores seja sempre reconhecido.

Atentos às transformações digitais, o Ecad vem realizando um trabalho voltado para buscar projetos de inovação que possibilitem melhorar cada vez mais a arrecadação e distribuição de direitos autorais no Brasil. “Conseguimos ajudar autores e artistas em 2020, em meio à pandemia do coronavírus, acompanhando os novos negócios no mundo digital e criando soluções rápidas em prol da indústria musical”, revela Isabel.

“A música é um dos maiores bens culturais do país e aqueles que vivem dela e por ela merecem e devem ser remunerados e valorizados. A nossa expectativa é continuar firme na nossa luta para que todos os envolvidos na cadeia produtiva da música possam ter seus direitos garantidos. Ter os compositores ao nosso lado nessas batalhas tem sido fundamental”, completa.

Compositores mais tocados

Recentemente publicamos a lista geral que trazia as músicas mais tocadas em todo Brasil durante a última década. O destaque deste ranking nacional ficou para “Não quero dinheiro”, música de Tim Maia, lançada há 49 anos, que ficou em primeiro lugar.

Ao analisar os dados disponibilizados pelo Ecad que traz o ranking das mais tocadas por região, percebemos a força do Sudeste neste posicionamento global. Mesmo tendo configurado todas as listas das quatro regiões, Tim Maia se destaca em primeiro lugar apenas no ranking da região Sudeste.

Além disso, fica claro o poder da regionalização que existe em locais como Nordeste e Centro-Oeste, onde os compositores de Axé e o Sertanejo, respectivamente, se posicionam entre os mais tocados em shows nos últimos 10 anos.

NORDESTE

1º Katamar/Umto/Ficarelli: “Eva”
2º Cassio Sampaio: “Balada”
3º Sharon/Antonio Dyggs/Amanda Cruz/Aline Medeiros da Fonseca/Karine Vinagre/Duda: “Ai se eu te pego”
4º Jorge Ben Jor: “País tropical”
5º Tim Maia: “Não quero dinheiro”
6º Manno Góes: “Praieiro”
7º Zé Ramalho: “Frevo mulher”
8º Leonardo/Fabio Alcantara: “Circulou”
9º Magno Santanna/Filipe Escandurras: “Lepo lepo”
10º Durval Lelys: “Bota pra ferver”
11º Gileno Gomes/Silvestre Mendez Lopez/Gilmar Gomes: “Ziriguidum”
12º Rodriguinho/Thiaguinho: “Fugidinha”
13º Tomate/Diego Nascimento: “Parará”
14º Barros Neto/Jota Reis: “Assiste aí de camarote”
15º Nizan Guanaes: “We are the world of carnaval”
16º Anastácia/Dominguinhos: “Eu só quero um xodó”
17º Márcio Vitor/J. Teles/Mily: “Liga da justiça (mulher maravilha)”
18º Fabio O ‘Brian/Pablo/Magno Santanna/Filipe Escandurras: “Fui fiel”
19º Alaim Tavares/Gilson Babilônia: “Arerê”
20º Carlinhos Brown: “Tantinho”

NORTE

1º Luciano Kikão: “Jogando gelo”
2º Cassio Sampaio: “Balada”
3º Sharon/Antonio Dyggs/Amanda Cruz/Aline Medeiros da Fonseca/Karine Vinagre/Duda: “Ai se eu te pego”
4º Tim Maia: “Não quero dinheiro”
5º Rodriguinho/Thiaguinho: “Fugidinha”
6º Jorge Ben Jor: “País tropical”
7º Gabriel Valim/Vika Jugulina/Edward Maya/Alex Ferrari: “Gatinha assanhada”
8º Pezinho/Thiaguinho: “Ta vendo aquela lua”
9º Nicco Andrade: “Assim você mata o papai”
10º Luciano Kikão: “Cutuca no facebook”
11º Manno Góes: “Praieiro”
12º Humberto Junior: “Amo noite e dia”
13º Barros Neto/Jota Reis: “Assiste aí de camarote”
14º Katamar/Umto/Ficarelli: “Eva”
15º Vitinho Avassalador: “Sou foda (sou brabo)”
16º Alaim Tavares/Rita Mendes: “Na base do beijo”
17º Diego Damasceno: “Seu astral”
18º Alaim Tavares/Gilson Babilônia: “Arerê”
19º Marcia Araujo/Marco Aurélio/Thiago Machado/Bruno Caliman: “Camaro amarelo”
20º Adrianno/Adrianno/Raynner Sousa/Humberto Junior/D’stefany Lima: “Romance”

CENTRO-OESTE

1º Franco/Peão Carreiro: “Telefone mudo”
2º Tomaz/Benedito Seviero: “Boate azul”
3º Manno Góes: “Praieiro”
4º Sharon/Antônio Dyggs/Amanda Cruz/Aline Medeiros da Fonseca/Karine Vinagre/Duda: “Ai se eu te pego”
5º Raynner Sousa/Bigair Dy Jaime: “Sinal disfarçado”
6º Cassio Sampaio: “Balada”
7º Marquinhos Maraial/Luizinho Lino: “Zoar e beber”
8º Henrique Tavares/Juliano: “Não tô valendo nada”
9º Tim Maia: “Não quero dinheiro”
10º Rodriguinho/Thiaguinho: “Fugidinha”
11º José Augusto/Paulo Sergio Valle: “Evidências”
12º Moacyr Franco: “Ainda ontem chorei de saudade”
13º Alle Barbosa: “Jeito carinhoso”
14º Vitinho Avassalador: “Sou foda (sou brabo)”
15º Darci Rossi/Constantino Mendes: “60 dias apaixonado”
16º César Augusto/Paulino: “Amor de primavera”
17º Adrianno/Raynner Sousa/Barony: “Lê lê lê”
18º Goia/Belmonte: “Saudade de minha terra”
19º Gerson Gabriel/Rafael/Bruno Varajão: “Maus bocados”
20º Gabriel Valim/Vika Jugulina/Edward Maya/Alex Ferrari: “Gatinha assanhada”

SUDESTE

1º Tim Maia: “Não quero dinheiro”
2º Manno Góes: “Praieiro”
3º Jorge Ben Jor: “País tropical”
4º Sharon/Antonio Dyggs/Amanda Cruz/Aline Medeiros da Fonseca/Karine Vinagre/Duda: “Ai se eu te pego”
5º Cassio Sampaio: “Balada”
6º Tomaz/Benedito Seviero: “Boate azul”
7º Rodriguinho/Thiaguinho: “Fugidinha”
8º Franco/Peão Carreiro: “Telefone mudo”
9º Nando Reis: “Do seu lado”
10º Humberto Junior: “Amo noite e dia”
11º Jose Augusto/Paulo Sergio Valle: “Evidências”
12º Marquinhos Maraial/Luizinho Lino: “Zoar e beber”
13º Marcia Araujo/Marco Aurélio/Thiago Machado/Bruno Caliman: “Camaro amarelo”
14º Gilson Mendonca/Michel: “O descobridor dos sete mares”
15º Goia/Belmonte: “Saudade de minha terra”
16º Euler Coelho: “Chora me liga”
17º Dann Nascimento: “E daí?”
18º Raynner Sousa/Bigair Dy Jaime: “Sinal disfarçado”
19º Gabriel Valim/Vika Jugulina/Edward Maya/Alex Ferrari: “Gatinha assanhada”
20º Adrianno/Raynner Sousa/Barony: “Lê lê lê”

Representatividade Feminina

Observando os dados acima dos últimos 10 anos de reprodução em shows pelo Brasil, é notória a pequena representatividade feminina entre os compositores mais tocados nos últimos anos. Entre todas as regiões, apenas é possível notar a presença nas composições compartilhadas de “Gatinha assanhada” com Vika Jugulina; “Camaro amarelo” com Marcia Araújo; “Ai se eu te pego” com Amanda Cruz, Aline Medeiros da Fonseca, Karine Vinagre e DudaD’stefany Lima em “Romance”; e Anastácia em “Eu só quero um xodó”.

Dados compilados pela União Brasileira de Compositores (UBC) de 2019, dentre todos os associados da associação, apenas 15% são mulheres, em um crescimento lento, visto que em 2018 as mulheres representavam 14% dos associados. Além disso, o relatório mostra que dentre os 100 compositores que mais arrecadaram naquele ano, apenas 10 são mulheres.

Escrito por Redação POPLine

Polêmica no k-pop

Irene, do Red Velvet, volta a se desculpar por atitudes polêmicas

Lean On Me

Gravado em Dubai, Now United lança o clipe “Lean On Me”