Billboard executivos apontam o 'futuro da indústria musical em 2022'
Billboard executivos apontam o 'futuro da indústria musical em 2022'. Foto: Pixabay
in

Billboard: executivos apontam o ‘futuro da indústria musical em 2022’

NFT, Metaverso, Transmissões ao vivo, inteligência artificial e social music são alguns dos temas em análise pelos executivos para a Billboard

Quais desenvolvimentos moldarão o futuro da indústria musical em 2022? Diante dos desafios que o mercado passou nos últimos meses, o otimismo envolve as previsões para o ano novo. É o que aponta Micah Singleton, que assina o boletim informativo “Plugged In” da Billboard e reúne os pensamentos “não filtrados” de CEOs, tomadores de decisão e players poderosos da música e tecnologia, sem citar diretamente os seus nomes e companhias.

De acordo com Singleton, este ano trouxe uma onda de desenvolvimentos interessantes e promissores para a indústria musical. O interesse pela tecnologia Blockchain disparou, com os NFTs se tornando um foco particular para a indústria da música, ganhando grande financiamento e atenção para as empresas do setor.

A economia criadora continuou a crescer, à medida que as empresas reformulavam suas estratégias para se adequar à próxima geração de músicos. E o Metaverso veio à frente, rapidamente se tornando um foco para os gigantes da música e da tecnologia. Em um ano cheio de inovação e mudança, Singleton perguntou aos participantes o que chamou sua atenção, o que não vai durar e o que eles esperam que ajude a moldar o futuro da música.

“2021 foi o ano em que o audiovisual se tornou uma parte regular da indústria musical. É difícil para mim pensar em um grande lançamento que não incluísse um componente audiovisual importante quando havia um filme biográfico, um especial de Oprah, um especial da Apple TV , um especial da Amazon ou um especial do Netflix ”, disse um presidente.

Billboard executivos apontam o 'futuro da indústria musical em 2022'
Executivos falam sobre o papel do audiovisual na música em 2021 e 2022. Foto: Unsplash

“Todos nós sabíamos que o audiovisual se tornaria uma parte ainda maior da música e dos lançamentos musicais, mas este ano foi o ano em que realmente aconteceu, e a reação dos fãs foi ótima, e fez o que deveria fazer. Tornou-se outra fonte de receita, além de promover a própria música.”

“Há muito ímpeto e base real no metaverso, blockchain, a economia do criador e Web3”, disse um executivo sênior. “Há muito ímpeto para pensar que isso não vai continuar a crescer. A outra área é a mudança para a publicidade digital. Acho que finalmente ‘vimos o dique quebrar’ para que as marcas entendam o valor e os motivos pelos quais elas precisam transferir uma quantia muito maior de seus gastos com publicidade para o digital”, afirma.

“Acho que nos últimos 12 a 18 meses – novamente, muito impacto do COVID – acho que vimos essa mudança e não acho que seja uma mudança temporária. Acho que agora é uma mudança permanente que está acelerada. Vamos olhar para trás, para este período, como o período em que realmente aconteceu. Acho que ambas as áreas são fortemente impactadas pelo COVID. Não significa que não teriam acontecido de outra forma”, reflete o executivo sobre a publicidade digital.

“Acho que está muito claro que há um prêmio que as pessoas estão dispostas a pagar em relação ao custo de consumo da música”, disse um investidor de destaque. “E a questão é quão grande é esse prêmio, mas ele não vai desaparecer.

“Se você olhar para a taxa de mercado NFT para propriedade nocional de um NFT que não oferece nenhum benefício funcional, as pessoas estão dispostas a pagar muito dinheiro. Isso me diz que há um prêmio que as pessoas estão dispostas a pagar em relação ao custo de consumir música para a música que amam. Claramente há muito hype agora. Parte disso não é real, não é orgânico, mas eu não acho que isso vai desaparecer.”

O que é NFT e como ele pode trazer milhões para a indústria da música
Foto: Reprodução/Musictech

Leia Mais:

Desenvolvimento x “Modismo” na Indústria Musical

No extremo oposto do espectro, muitos executivos destacaram os desenvolvimentos que consideram “modismos que não perduram” – pelo menos não em suas formas atuais. O mais notável deles foi a transmissão ao vivo.

Transmissão ao vivo, ainda não teve um momento”, disse um CEO. “Acho que a transmissão ao vivo precisa ser mais do que apenas tentar reproduzir o show ao vivo. Artistas de sucesso sempre podem ter eventos de sucesso. Não é complicado. Onde está a classe média? A menos que você alcance a classe média, não é o suficiente para criar sustentabilidade. E acho que a classe média ainda não chegou. Alguém precisa ser o favorito.

“Acho que precisa haver um monte de aquisições ou uma das grandes plataformas precisa ter um momento de inovação. Acho que vai ser interessante assistir no próximo ano”, diz o executivo sobre asa transmissões ao vivo.

Acho que ainda há um grande ponto de interrogação sobre a transmissão ao vivo e quão grande pode ser o modelo de negócios quando os artistas voltam a fazer turnês ao vivo”, disse um executivo sênior. “Isso não significa que a transmissão ao vivo não existirá – é claro que existirá – é uma tecnologia muito eficiente e muito eficiente para um artista em certas circunstâncias.”

Billboard: executivos apontam o 'futuro da indústria musical em 2022'
Foto: Tech Daily/Unsplash

“Não acho que a transmissão ao vivo ‘ponto a ponto’ seja um negócio real”, disse um investidor. “As plataformas de financiamento para músicos individuais não são um negócio independente.”

“A outra coisa que eu acho que não vai ganhar o dia – e eu meio que espero que vá embora – são planos de negócios em criptografia que querem apenas ganhar dinheiro com o bolso dos fãs”, continua o investidor.

“Existem muitos planos de negócios que são basicamente ‘como pegamos o dinheiro dos fãs’? E, no final das contas, essa não é a atitude ou ética certa. Para que as pessoas gastem dinheiro, você precisa merecê-lo. E algumas dessas coisas de NFT são, me desculpe, não valem muito”, afirma o investidor.

Olhando para o futuro, 2022: o ritmo de inovação continuará?

E por fim, Micah Singleton questiona “entramos em um período de inovação acelerada em 2021, o que você espera de 2022?”

“Na verdade, espero que haja um apetite ainda mais violento por inovação”, disse um executivo sênior. “Acho que seremos inundados com um monte de ideias em 2022, que verão algumas pessoas na indústria da música realmente ficarem para trás. Muitos estarão errados, mas tudo bem.”

Temos que estar errados para chegar ao que é certo. E isso é o que é mais emocionante para mim. Muitas pessoas estão realmente procurando sair do sistema das gravadoras principais. Sejam empresas ou gravadoras menores, parceiros de negócios de produção, acho que as pessoas estão realmente ansiosas para começar a apostar em si mesmas e se sentem muito mais confiantes agora do que nunca”, disse o executivo para o boletim da Billboard.

Foto: Sumeet B/Unsplash

“A criação assistida por inteligência artificial (IA) encontrou seu lugar agora”, diz um investidor. “Dois anos atrás, as pessoas pensavam na IA como um compositor – isso nunca vai funcionar. Mas agora há empresas que estão pensando em IA como produtor. Em outras palavras, ajuda as pessoas a fazerem a música soar melhor e com eficiência”, analisa.

“E para mim, isso vai resultar em crianças mais novas fazendo sucessos – eles não precisam aprender toda a tecnologia – e, em seguida, a produção de música sendo muito mais adequada em tempo real para o caso de uso, de modo que a criação assistida por IA agora é tecido no lado criador da economia da música”, reflete o executivo.

Outro CEO concorda. “Eu acho que pode haver um momento revolucionário para a música de IA e ser reconhecido como não um competidor da música. Acho que poderia ser realmente interessante o impacto que isso tem sobre a democratização da criação musical.”

“Eu esperava que, no final de 2021, um teria visto o retorno ao vivo ao seu estado anterior, e certamente não é, e o COVID certamente não acabou”, disse outro executivo sênior. “A Live pode ter que se reinventar. E é aí que algumas dessas conversas interessantes em torno do metaverso acontecem.”

“Quando você pensa sobre as experiências dos artistas e como elas realmente geram receita, ao vivo tem sido muito importante, uma grande parte desse bolo. Outra coisa vai ter que ser feita – ou várias outras coisas – vão ter que compensar, e as performances no metaverso podem ser uma delas”, afirma.

O que são rubricas de distribuição de direitos autorais
Foto: Unsplash

“O que eu gostaria de ver é o streaming social [social music]”, disse um CEO. “Eu ainda acho que há um momento de ruptura, seja Resso, se Spotify realmente tem algum tipo de projeto secreto onde eles estão trabalhando nos bastidores. Mas acho que virá de uma empresa menor e mais ágil. É mais difícil para empresas maiores se movimentar dessa maneira e assumir riscos maiores como esse.”

“A história nos ensinou que, quando você vê uma mudança acontecendo, normalmente o tempo acelera essa mudança e cada ciclo é mais curto”, disse um executivo sênior. “Acho que 2021 nos mostrou que estamos em um momento incrivelmente perturbador, que COVID teve uma influência muito grande na origem da perturbação, mas acho que em 2022 veremos as mesmas tendências continuarem. Acho que todas essas coisas continuarão a levar a um 2022 incrivelmente ativo para a indústria”, finaliza.

Escrito por Láisa Naiane

Faustão faz primeira aparição na Band em virada do ano

Faustão faz primeira aparição na Band em virada do ano

Especial com reunião de Harry Potter traz a magia de volta

Especial com reunião de Harry Potter traz a magia de volta