in , ,

Beyoncé revela como lidou com desempenho do álbum “COWBOY CARTER”

Assim como fez na era do “RENAISSANCE” (2022), cantora deixou os holofotes após lançar seu último disco, em março

Desde que lançou o disco, no final de março, Beyoncé não voltou a dar novidades sobre o projeto. Foto: Instagram/@beyonce

Mais um ‘marketing de sumiço’, Beyoncé? Desde que lançou o “COWBOY CARTER”, em 29 de março, a artista não tem aparecido muito ao mesmo tempo em que os fãs seguem ‘sedentos’ pelos visuais e uma possível turnê. Agora, três meses após a entrega do álbum, a cantora falou sobre como encara seu desempenho, o impacto dos charts para ela e a importância de ter trago visibilidade aos artistas negros do country com esse projeto. Veja o que ela disse!

LEIA MAIS:

(Foto: Instagram @beyonce)

Em entrevista ao The Hollywood Reporter, veiculada nesta quinta-feira (20), Beyoncé disse que se deu por satisfeita com o impacto do “COWBOY CARTER” e o real significado e propósito do disco. Já quando se refere a charts e números, ela levou à interpretação de que não está mais um momento da carreira em que faz dessa uma preocupação.

“Houve um tempo na minha vida em que os charts e as vendas me animavam e motivavam. Depois que você se desafia e coloca cada grama da sua vida, sua dor, seu crescimento e seus sonhos na sua arte, é impossível voltar atrás. Estou muito grata e honrada pelo sucesso extraordinário do novo álbum”, refletiu Queen B.

“COWBOY CARTER” descolou uma estreia no topo da Billboard 200, com 407 mil unidades vendidas do disco, porém, os fãs e o próprio mercado notaram que o compilado não fez tanto barulho quanto o “RENAISSANCE”. A faixa do projeto que mais se destacou foi “TEXAS HOLD ‘EM”, que ultrapassa 437 milhões de plays no Spotify. A canção encabeçou o topo da Billboard Hot 100 por duas semanas.

“Tenho a honra de apresentar a tantas pessoas as raízes de tantos gêneros. Estou tão emocionada que meus fãs confiaram em mim. Os que tentam controlar a indústria musical não estão felizes com a ideia de flexibilizar gêneros, especialmente vindo de um artista negro e definitivamente não de uma mulher”, disse Beyoncé sobre se desafiar no country no novo disco.