Projeto 180. Foto: Divulgação
in ,

Alok e GR6 lançam hit que pede o fim da violência à mulher

“180” já está disponível em todas as plataformas digitais e o clipe conta com atuação de Luíza Brunet

Sempre envolvido em causas sociais, Alok usa sua voz, agora, para chamar atenção e corroborar uma campanha que pede o fim da violência à mulher. E como o DJ brasileiro fará isso? Através da música, claro! Intitulada “180”, a faixa leva assinatura da GR6, e, além de chamar atenção para a causa, ainda celebra o “Agosto lilás” e os 15 anos de existência da Lei maria da Penha.

Lançada nesta quinta-feira (26/08), “180” marca uma parceria de Alok com uma turma de peso! O DJ goiano chega ao lado DJ Victor e os MCs Hariel, Dricka, Davi, Marks e Leozinho ZS para dar voz e vez ao tão necessário apelo. Ah, o clipe ainda conta com a atuação de Luíza Brunet.

Projeto 180. Foto: Divulgação

“Para mim, ‘180’ é uma música urgente e atemporal. Um tema a ser sempre debatido até o dia que a gente não precise mais ler, nem ouvir que as mulheres continuam sendo agredidas seja verbal, moral ou fisicamente. Aquele que não luta pelo outro, já desistiu de si mesmo. Fica o meu convite a ouvir 180 e fazer parte desse movimento de conscientização e transformação” diz Alok.

A nota oficial da música ainda explica que: “É um chamado de responsabilidade à humanidade. Traz uma mensagem de empoderamento às mulheres e conscientização dos homens para que se atentem ao seu papel no combate a qualquer forma de violência contra as mulheres”.

Projeto 180. Foto: Divulgação

E a ação social será dividida em algumas etapas do que vem por aí. A primeira, consiste no lançamento da música “180”, com contribuição de todos os artistas. Hariel retoma a parceria com Alok e traz um alerta para as mulheres que sofrem esse tipo de violência e para toda a comunidade e autoridades. O último sucesso de Alok e Hariel “Cracolândia” alcançou 200 milhões de views.

“Mais que uma música, pretendemos que o projeto 180 atinja o coração e a mente dos brasileiros para essa grave questão social, exigindo mudanças efetivas”, destaca Hariel, 23 anos.

A inspiração para o trabalho, além dos dados alarmantes, vem da história de vida dos próprios artistas. Ainda na infância, MC Hariel viu a mãe ser agredida pelo pai e isso fez com que o inspirasse a compor essa música. Luíza Brunet, que já foi vítima de violência doméstica, participará do videoclipe, assim como outras mulheres, mostrando que a violência contra a mulher pode estar em todas as esferas e que não escolhe cor, raça ou classe social.

Projeto 180. Foto: Divulgação

“Passou da hora de falar sobre isso. Acendeu o alerta vermelho. Além de sempre me preocupar em passar uma visão na maioria das minhas letras, acredito que o debate é muito importante, pois gera muitos pontos de vista. Colocando um som de uma maneira original as pessoas pensam, refletem ainda mais sobre um assunto tão importante quanto esse”, enfatiza MC Hariel.

Alok corrobora: “Montamos o time para dar diversos pontos de vista dessa problemática. E no final, a gente alerta que testemunhar um caso de violência doméstica e não denunciar não é um erro, mas uma escolha!”, fala Alok.

O DJ, aliás, através do Instituto Alok, cedeu todos os direitos dos royalts às ações que combatem a violência doméstica. Já os outros artistas, doaram parte da renda do projeto para o Instituto Maria da Penha e ao Instituto Brasil + Social, que coordena o Projeto Mulheres de Lótus.

Dados da violência

Uma pesquisa do Instituto Datafolha, encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e divulgada em junho deste ano, mostrou que uma em cada quatro mulheres acima de 16 anos já foi vítima de algum tipo de violência no Brasil apenas durante a pandemia de Covid-19.
Em 2020, foram 105.821 denúncias de violência contra a mulher e 1.350 casos de feminicídio.

Escrito por Leonardo Rocha

Pocah e a cultura do cancelamento no “Prazer, Luísa” deste sábado

Com Covid-19, Erasmo Carlos faz apelo: “Torçam por mim”