Além do Spotify: Gravadoras diversificam receita do streaming
Foto: Pexels
in

Além do Spotify: Gravadoras diversificam receita do streaming

Análise do MIDia Research aponta que o papel dominante do Spotify nas receitas das Majors está começando a diminuir

Além do Spotify: Gravadoras diversificam receita do streaming, aponta análise feita por Mark Mulligan do MIDiA Research. As principais gravadoras tiveram um trimestre de streaming excelente, registrando um crescimento de 33% no segundo trimestre de 2021 para chegar a US $ 3,1 bilhões (cerca de R$ 16,2 bilhões).

O Spotify teve um trimestre menos impressionante, aumentando as receitas em apenas 23%. Depois de ser sinônimo do mercado de streaming por tanto tempo, o papel dominante do Spotify está começando a diminuir. Isso é menos um reflexo do desempenho do Spotify, embora não tenha sido ótimo no segundo trimestre, mas tem mais a ver com a crescente diversificação do mercado global de streaming, de acordo com Mulligan.

>Spotify cresce 20% e obtém 165 milhões de assinantes

O Spotify continua sendo o player dominante no setor de assinaturas de música, com 32% do mercado global de assinantes, mas o streaming está se tornando muito mais do que apenas assinaturas. Mulligan aponta que Stephen Cooper, Diretor Executivo do Warner Music Group, relatou recentemente que essas “plataformas emergentes” estavam rodando em cerca de US $ 235 milhões em uma base anual, alinhando-se com a estimativa da MIDiA de que o número global para 2020 foi de US $ 1,5 bilhão.

O problema do mercado de assinaturas de música – fora da China – sempre foi a falta de diferenciação. Para Mulligan, as gravadoras mostraram pouco interesse em mudar isso, mas ao invés desse fato, se concentraram no licenciamento de experiências musicais inteiramente novas fora do mercado de assinaturas. Como consequência, nomes como Peloton – aplicativo fitness, popular nos EUA – TikTok e Facebook tornaram-se “parceiros-chave de streaming para gravadoras”, uma mudança muito pronunciada de como era o mundo do licenciamento das majors alguns anos atrás.

O impacto nas receitas de streaming é claro. No quarto trimestre de 2016, o Spotify respondeu por 38% de toda a receita de streaming de gravadoras. No segundo trimestre de 2021, esse valor caiu para 31%.

Além do Spotify: Gravadoras diversificam receita do streaming
Além do Spotify, Gravadoras diversificam receitas do streaming. Foto: MIDiA Research

“No entanto, olhar apenas para a receita dos títulos minimiza o impacto acelerado dos novos players do streaming. Como o Spotify já tem uma base de receita tão grande e estabelecida, a diluição trimestral é normalmente estável, ao invés de dramática. As coisas parecem muito diferentes quando olhamos especificamente para o crescimento da receita, ou seja, o valor da nova receita gerada em um trimestre em comparação com o ano anterior”, diz Mulligan.

Com base nisso, os novos players de streaming estão expandindo rapidamente sua participação. A participação do Spotify no crescimento da receita de streaming caiu de 34% no quarto trimestre de 2017 para apenas 26% no segundo trimestre de 2021. Ao contrário da receita total de streaming, o crescimento da receita é relativamente volátil, com a participação do Spotify variando de um mínimo de 11% a um máximo de 60% ao longo do período – mas a direção subjacente da trajetória é clara.

Leia Mais:

O Spotify continua sendo o parceiro mais importante das gravadoras tanto em termos de hard power (receitas, assinantes) e soft power. Mas o mundo do streaming está mudando, impulsionado pelo foco das gravadoras em apoiar novas plataformas de crescimento. As implicações para o Spotify podem ser pronunciadas, analisa Mulligan.

“Quanto menos dependentes forem os Selos do Spotify, mais influência terão”, diz Mulligan. Do ponto de vista do mercado financeiro, os últimos 18 meses foram dominados por boas notícias sobre direitos musicais – desde transações de fusões e aquisições de catálogos de música cada vez mais aceleradas até IPOs de gravadoras e investimentos.

Spotify testa plano de assinatura mais barato; saiba mais

No momento, o momento do mercado é de investimentos em direitos musicais, aponta a análise do artigo. “Se a atual diluição da divisão da receita do Spotify continuar, a plataforma terá dificuldades para negociar reduções de taxas adicionais e terá mais dificuldade em buscar estratégias que arriscam antagonizar os detentores de direitos”, diz Mulligan.

Enquanto isso, os detentores de direitos estão em um mercado cada vez mais fragmentado, onde nenhum parceiro tem participação de mercado suficiente para exercer poder e influência indevidos. Esse é um lugar onde os detentores de direitos sempre sonharam em chegar, mas agora – dividir para conquistar – pode finalmente estar se concretizando em escala global.

Escrito por Láisa Naiane

Camila Cabello será conselheira no "The Voice US"?

Camila Cabello será conselheira no “The Voice US”?

Demi Lovato não responde se mulher é namorada