Alok para revista GQ. Foto: Divulgação
in

Alok relembra acidente de avião que mudou sua vida: ‘Presenciei um milagre’

Capa e recheio da revista GQ, DJ desabafa sobre os altos e baixos da carreira

Alok é capa e recheio da revista “GQ” deste mês. Cheio de estilo, o DJ mais famoso do Brasil no exterior posou para fotos e lembrou que sua carreira foi feita de altos e baixos, que o fizeram ver a vida de outra maneira. À publicação, o artista falou sobre o impacto causado pelo acidente aéreo que sofreu, em 2018, além da perda da primeira filha e a crise de depressão.

Em maio de 2018, o avião em que Alok estava e saiu da pista num aeroporto de Juiz de Fora, em Minas Gerais, durante a decolagem. “O acidente deu um click na minha vida, aquelas transformações filosóficas que nos alertam. Recebi como lição que o único tempo real que a gente tem é o agora. Amanhã não existe. Não podemos deixar de realizar coisas com impacto positivos agora”, reflete.

Alok para a revista GQ. Foto: Divulgação

Hoje, ele tenta aproveitar ao máximos o momento presente, após vencer uma crise de depressão. “Eu já vinha tentando trabalhar em mim umas crises existenciais. E que afloraram ali. Eu meio que presenciei um milagre. O que é ter sucesso? É ter bem material? Fama e dinheiro? Eu tive tudo isso e tive depressão severa. Então resolvi buscar outros sentidos para minha vida, intensifiquei meu trabalho filantrópico e isso me tirou da depressão”, conta.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Todos temos a missão de ser um agente transformador. Não necessariamente eu tenha virado um, mas espero estar a caminho. Obrigado @gqbrasil 💙 @bulgari We all have a mission to be an agent of transformation. I didn’t necessarily become one, but I hope to be on my way. Fotos: @gil_inoue Styling: @rodrigopolack Texto: @lucioribeiro Beleza e cabelo: @rosangelaaraujo Barbeiro: @rivaldorabello Assistentes de Styling: @analuizaballesteros e @jrmendes_ Cenografia: @theforcex Produção executiva: @enzomendola Assist. de beleza e cabelo: Vitor Alves da Silva Assist. de foto: Renato Toso, Atych Fortes e Guilherme Santos Assessoria de imprensa: @melinatavarescomunicacao

Uma publicação compartilhada por Alok (@alok) em

Com uma agenda lotada, o DJ sentia que precisava diminuir o ritmo de trabalho. Tiveram meses que precisava dar conta de uma turnê pesada, entre 20 e 40 shows por mês. “Eu lembro que consegui três dias livres e fui para a Chapada dos Veadeiros, em Alto Paraíso. Foi quando percebi que eu estava em crise, não estava pronto para voltar para a minha rotina, queria ficar mais lá, precisava ficar. Queria mais um mês descansando, mas obviamente não podia. Peguei o carro para ir embora e no meio da estrada parei e comecei a chorar. Alguns segundos depois apareceu uma galera que me reconheceu e se aproximou para tirar foto comigo. Nem chorar conseguia”, lembra.

Pai de Ravi, que nasceu em janeiro deste ano, fruto do casamento com a médica Romana Novais, os dois aguardam ansiosos pela chegada da segunda filha do casal, Raika. Aloka considera que está preparado para a chegada da menina, exatamente um ano após a perda do primeiro herdeiro.

“Quando perdemos o primeiro bebê, o sentimento paternal estava bem vivo em mim. Tudo representou um novo começo. Me achei mais preparado para o Ravi por causa da primeira gestação que não rolou. Preparado e ao mesmo tempo mais tenso. Tenso para vê-lo ali, vivo, real. E agora mais ainda preparado para a Raika, que vem exatamente um ano depois. Talvez nasça no mesmo dia, em janeiro de 2021”

Alok para a revista GQ. Foto: Divulação

 

E foi na pandemia do novo coronavírus que a pequena foi “encomendada, segundo Alok. Na mesma noite em que ele realizou a live da TV Globo, tendo 15 minutos transmitidos ao vivo na TV aberta e atingindo 27 milhões de pessoas na audiência.

“Nesta quarentena, eu vivi uma vida de casado, de relacionamento que eu nunca tinha vivido antes e tive certeza: ela é minha parceira de vida, minha melhor amiga. Isso tudo coroado com um dos maiores privilégios que é poder estar acompanhando o crescimento do meu filho junto com ela. Foi preciso esse choque para as coisas poderem se ajeitar. Em um sentido foi preciso morrer para renascer”, diz.

Escrito por Leonardo Rocha

Camren: fãs se arrependem de shippar Lauren e Camila

Camren: fãs se arrependem de shippar Lauren e Camila

Ludmilla e IZA lutam contra o racismo

Prêmio Multishow: IZA e Ludmilla farão performances